19/01/2016

YOGA NO TRATAMENTO DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES


Um número cada vez maior de homens e mulheres lutam em uma batalha doentia contra os hábitos alimentares e manutenção do peso.


De acordo com o Instituto Nacional de Saúde Mental dos EUA, distúrbios alimentares relacionados a distúrbios mentais somam 20 milhões de mulheres a mais 10 milhões de homens só nos EUA.


A anorexia nervosa tem a maior taxa de mortalidade de todas as doenças mentais, porém, a anorexia e desequilíbrios como bulimia e compulsão alimentar fazem parte da vida de milhões de pessoas.



O "Disorder Collaboration National Eating" (Associação Nacional de Distúrbios Alimentares - tradução livre) cita como "padrões errados de alimentação" dietas restritivas, comer compulsivamente ou pular refeições. Segundo pesquisa desta entidade "quatro em cada dez indivíduos tem um transtorno alimentar ou conhece alguém que tenha".


Caracterizada por uma taxa de recaída extremamente elevada, os distúrbios alimentares estão associados ao estigma da vergonha e da negação da doença. Isso apresenta-se como obstáculos para a obtenção de um tratamento adequado. Somando-se a isso o culto a um corpo magro, as dietas sem acompanhamento de um profissional qualificado, teremos um reforço da disfunção alimentar.


Nos Centros de Tratamento de Transtornos Alimentares, nos EUA, a Yogaterapia é parte integrante no tratamento de transtornos alimentares. O Yoga oferece uma abordagem integrada para a saúde mental, emocional e física.


A prática de se mover com consciência a partir do interior para o exterior tem um impacto profundo sobre a nossa imagem e consciência corporal; além disso, problemas de ordem emocional como depressão, raiva, ansiedade têm sido tratados através do Yoga que promove a autoestima, autoconfiança e mesmo a autoaceitação, segundo estudo realizado pela Escola de Medicina de Harvard (veja o artigo).

Como os Transtornos Alimentares e a Filosofia do Yoga estão conectados?

O Yoga, através da sua prática, nos ensina a manter uma relação equilibrada entre o corpo físico, a mente e nosso espírito através dos Asanas (posturas psicofísicas).

A prática dos Asanas, por si só, desenvolve nossa Flexibilidade corporal (para que sejamos flexíveis nas decisões que a vida nos impõe), a Força física (para que tenhamos força para os embates da vida), Resistência física (para que tenhamos resistência nos embates da vida) e Equilíbrio físico (para que tenhamos uma equilíbrio emocional).


No Yoga, nosso corpo físico é considerado uma ferramenta para tratar a mente. No ocidente aprendemos que precisamos tratar a mente para que não somatizemos nossas emoções.

Os Yogues, há 7 mil anos antes da era Cristã, descobriram que podemos tratar o corpo para que a mente corresponda. Fazendo o caminho inverso ao nosso.


Além da pratica física, Asanas, a filosofia nos ensina a respeitarmos nosso corpo, não agirmos com violência contra os outros e nem contra nós mesmos. Estarmos presentes no agora, sem ansiedade pelo futuro nem tristezas pelo passado.


Pessoas com distúrbios alimentares estão em constante estado de estresse. Esta é uma das causas dos distúrbios fisiológicos que aumentam a probabilidade do desenvolvimento de diversas doenças.


A produção de hormônios como a Adrenalina é uma constante; ela é responsável pela resposta de luta ou fuga, quando nossa vida está ameaçada. Imagina que estamos neste dilema por várias horas do dia.


Estudos têm demonstrado que a meditação e a prática de exercícios respiratórios (chamados de Pranayamas no Yoga), diminuem drasticamente os níveis de estres, atuando sobre o Sistema Nervoso Simpático.

Jannifer Daubenmier, Ph.D, conduziu uma pesquisa na Universidade da Califórnia, em Berkeley, examinando a forma como a prática do Yoga afeta a consciência corporal, capacidade de resposta do corpo e satisfação corporal.


Neste estudo, 138 mulheres, com média de 37 anos de idade, foram divididas em três grupos: o primeiro grupo praticou Yoga; o segundo grupo praticou exercícios aeróbicos e o terceiro era um grupo de controle.


Os participantes receberam um questionário que media a consciência corporal, a satisfação com o corpo e e sintomas de transtornos alimentares.


O grupo do Yoga, no final da pesquisa, mostrou diminuição nas medidas associadas aos transtornos alimentares, maior consciência corporal, em relação aos outros dois grupos. Isso demonstrou a eficácia do Yoga no tratamento de transtornos alimentares, comparado a outras formas de exercício.


Um estudo qualitativo, desenvolvido na "Princeton University", EUA, em 2006, pelo psicólogo Robin Boudette, Ph.D, Especialista em Transtornos Alimentares, mostrou como o Yoga é eficaz em aumentar a auto estima e reduzir a ansiedade.


Os métodos aplicados neste estudo foram baseadas em suaves técnicas de Yoga, aplicada por instrutores de renome, como Christina Vender em seu livro Yoga de dentro para fora: Fazendo a paz com seu corpo. De acordo com Boudette, "Muitos pacientes tornam-se muito mais conscientes de como sentem seu corpo, ao invés de como ele olha, o que abre uma janela para uma nova experiência do corpo fora do tapete de Yoga."


Acredito que ainda temo muito que caminhar para chegarmos a um tratamento multidisciplinar no tratamento dos Transtornos Alimentares, porém vemos que os primeiros passos já estão sendo dados com sucesso.


Adaptado de: http://www.sonima.com/yoga/yoga-eating-disorders/